segunda-feira, 13 de junho de 2011

Jailson Marroquim



Meu primeiro contato com o trabalho poético de Jailson Marroquim, foi através do livro dele Ato Final, adquirido pelo meu marido, que o conhecia e foi ao lançamento deste, em 2007.


Ele faleceu na última sexta-feira, e hoje neste post, presto minha homenagem como Pernambucana grata, por ter tido mais um grande poeta.








Jaison Marroquim de Oliveira nasceu em Recife em 1953. 
Servidor público municipal. 
Poeta e compositor. 
Membro da União Brasileira de Escritores - secção de Pernambuco. 
Na década de 80 foi um dos militantes do Movimento de Escritores Independentes de Pernambuco (MEIPE), participou da organização da 1ª Passeata Poética do Recife, da exposição A Fotografia e seu Poema e do disco vinil “Espaço Aberto”, produzido e editado pela Fundação Joaquim Nabuco em 1987. 
Poeta de verve urbana, engajada e lírica passeia pela poesia e a música com total desenvoltura.  
Versátil, Jaison escreveu cordéis com temática socioambiental e caráter educativo, tendo inclusive gravado em placa, na Praça Farias Neves do bairro de Dois Irmãos, um cordel em homenagem ao paisagista Burle Marx. 
Foi um dos coordenadores do Projeto Casa Amarela em Poesia que uma vez por mês mantinha acesa a chama da poesia com rodas de recitação no bairro homônimo. 
Foi um dos  integrantes  do MOVIPOESIA – Movimento Viva a Poesia que realiza recitais em Recife e outras cidades do estado. 

Livros:
Mundo Moribundo - Edição independente, 1985;
Haicrônicas e Poemânticas - Editora Nordestal/Panamérica, 1988; 
A Sentença das Palavras - Edição independente, 1989;

Ato Final - Edição independente, 2007.

Fonte: SINTEPE
Imagens:



metAMORfose

Não importa se desvairada a estrela,
invada-me sua luz
Não me afligem os ventos rebeldes,
meu coração é catavento.

E se nesta metrópole de tempo
e concreto ninguém sente exalar
do teu corpo o cheiro da manhã anunciada,

eu te afago
e nas minhas mãos
teus pelos
de lagarta de fogo
se transformam
em asas de borboleta.
(Jailson Marroquim)

Uma boa semana a todos que por aqui passam.

23 comentários:

  1. Bom Dia Ana!!!

    Obrigada por compartilhar com este lindo poema!!!
    Tenha uma Abençoada Semana!!!

    Paz e Luz!!!!

    ResponderExcluir
  2. Os bons sempre nos deixam a certeza de que partiram cedo de mais...linda homenagem. bjs querida

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana, bom dia
    Sinto muito pela sua perda e todos que tiveram a oportunidade de compartilhar tanta coisa bonita que o Jaílson escreveu.
    Partiu tão cedo... mas enfim é a vida.
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Olá filhota.
    Compartilho com sua homenagem a este escritor, Jailson Marroquim, que certamente muitos feitos dignos de um Pernambucano.
    Beijos
    Maria Luiza (LulÚ)

    ResponderExcluir
  5. Lindo poema e bela homenagem. Uma semana linda pra ti!beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. Grata por compartilhar este poema em homenagem ao poeta que partiu, mas que deixa seuus legados.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Lindo e sensível poema!!! O poeta não morre, ele se torna imortal pelas suas palavras...Bjs Aninha.

    Ótima semana!!!
    Rita Barroso

    http://blogdachickitabakana.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Olá Ana Karla
    Não conhecia o poeta. Vou procurar conhecer sua obra. Valeu.
    Bjux

    ResponderExcluir
  9. Eita terra fértil para nascer artistas! Pernambuco é terra de artistas plásticos, escritores, cantores, atores e até alguns que reunem muitos dons! Eu tenho uma grande amiga, escritora fabulosa aí: Luciene Freitas. Uma pena é que nem sempre os artistas são valorizados em sua terra natal, né? A maioria precisa vir para o Rio ou para São Paulo para ficar conhecidos. Obrigada por compartilhar! O céu ganhou mais um poeta! Bjks Tetê

    ResponderExcluir
  10. Oiiiiiiiii!

    Bem, temos que cuidar de nossas coisinhas né!!!

    E aí, vai aproveitar o São João? Já fui pra Nando Cordel no sáb e Maestro Forró no domingo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana Karla!
    Que bela homenagem e nos fazendo conhecer este poeta, embora em triste hora, e sua bela poesia!

    Beijo e ótima semana!

    ResponderExcluir
  12. Que pena! Mas mesmo assim, viva a nossa poesia!!!
    Aninha, está lindo layout do seu blog, adorei.
    bju

    ResponderExcluir
  13. Meu pai dizia que um poeta quando morre,ele renasce em um plano muito melhor porque a sua alma ja foi maturada, e vivem perto dos anjos.Que assim seja
    beijo minha amiga

    ResponderExcluir
  14. Linda a homenagem!

    É muito bom estar aqui novamente!

    :)Saudades!

    Beijos e flores!

    ResponderExcluir
  15. Obrigado pela bela homenagem ao meu pai!

    ResponderExcluir
  16. LUCAS MARROQUIM, eu que agradeço sua atenção aqui no post.
    Abraços,
    Karla

    ResponderExcluir
  17. Muito obrigado a todos pelo o carinho ao nosso eterno poeta.

    Ednalva e Manoela Marroquim

    ResponderExcluir
  18. A todos que comentaram atenciosamente, agradeço mais uma vez.

    ResponderExcluir
  19. EDNALVA e MANOELA, nós é que sempre vamos agradecer por Pernambuco ter tido um poeta como o seu Jailson.
    Obrigada pela presença e pela atenção.
    Espero um dia poder conhecê-las.
    Abraços

    ResponderExcluir
  20. Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de lembranças, não saber como vencer a dor do silêncio e da ausência que nada preenche.
    Amanhã 10 de dezembro o poeta Jailson Marroquim completaria 58 anos, a saudade é grande, mais todos nós estamos aqui para cumprirmos uma missão, com certeza o Jailson cumpriu a sua e Deus o chamou, só nos as lembranças e de sermos gratos por ele ter feito parte de nossas vidas.
    Ednalva, Manoela(Filha) e Família

    ResponderExcluir
  21. Já vai fazer 2 anos que Jailson se foi, mais as vezes sinto como se daqui a pouco ele fosse entrar pelo a porta, beijando e abraçando a cabeça de todos que estavam ali como ele sempre costumava fazer, com aquele jeito alegre,extrovertido, Sempre preocupado com o futuro dos filhos, acompanhava cada passo que a filha Maneca como ele chamava dava. Que saudade Jai, vc se foi tao rápido que nao deu tempo nem de falarmos o qto vc era e vai continuar sendo importante pra nós da família batista, nao tivemos a chance de te dar um abraço de despedida, vc deixou conosco um fruto que vai sempre simbolizar vc, que é a nossa princesinha Manoela. Nunca vamos esquecer o Jai, e tenho certeza que nas nossas reunioes familiares ele sempre está presente como sempre esteve.

    ResponderExcluir